Criando sua Aposentadoria

Criando uma Aposentadoria.

(Projeto lançado em 31.12.2016)

Esse artigo tem como propósito ser um guia para os investidores de qualquer classe, e qualquer nível de conhecimento sobre investimentos.

Mostro que é possível com aplicações mensais de R$: 100,00 em produtos financeiros de baixo risco, conseguir alcançar no futuro a aposentadoria e independência financeira.

Quero mostras ao leitor, que está lendo esse artigo, que existe sim, a possibilidade de montar uma aposentadoria digna, visando o futuro.

Sem truques, ou soluções mágicas. Mas dependendo, simplesmente de dois fatores…

É muito importante ter paciência e disciplina para desenvolver essa estratégia. Uma vez que o tempo será a principal ferramenta.

O rendimento também é muito importante, uma vez que o dinheiro depende dele, para ir aumentando, dia após dia, mês após mês, ano após ano.

Mas antes de dar início ao artigo, e o passo a passo, quero fazer uma breve analise do atual cenário econômico de nosso país.

Reforma Previdenciária.

Não é de hoje que o assunto da reforma previdenciária pairava sobre a capital brasileira. Ou melhor, o Brasil como um todo.

Alguns economistas já comentavam a necessidade de tal reforma, uma vez que ao passar dos anos, fica cada vez maior, o rombo da previdência no orçamento federal.

Com as pessoas vivendo cada vez mais, o governo federal acaba tendo gastos maiores para cobrir a previdência, e outros benefícios para a população.

Porem a receita com impostos, e derivados, não vem acompanhando esse aumento.

Na realidade, para ser bem sincero, não é somente culpa da previdência, existem outros setores que acabaram colaborando com o aumento do déficit publico.

Atual recessão só destacou todo esse problema, além do lado fiscal, político, e econômico em nosso país.

A reforma previdenciária, no momento em que escrevo, ainda não foi votada. Mas já foi enviada para câmara dos deputados, para assim que possível, iniciar o processo de votação.

previdencia-orcamento

  Imagem 01: Retirada do site O Globo, gráfico demonstra a evolução dos gastos públicos com a previdência. Clique na imagem para ampliar.

Em minha opinião, a reforma previdenciária deveria ter sido feita antes da votação do teto de gastos.

Agora, o Brasil tem muito pouco espaço para realizar qualquer manobra no orçamento, a fim de conseguir manter tudo de baixo do teto.

Caso a reforma da previdência fosse votada antes, haveria mais espaço para manobra. Lógico, que uma reforma tributaria seria essencial, para tentar desburocratizar e facilitar a vida dos empreendedores.

Podemos concluir, que mais do que nunca, o Brasil está analisando bem suas despesas, e tentando manter o controle.

Se tudo for aprovado, do jeito que será proposto, as pessoas poderão se aposentar somente a partir de 65 anos (idade mínima).

Com todas as medidas já anunciadas, acredito que a aposentadoria vai conseguir se sustentar por um bom tempo.

Mas, esperar até os 65 anos, é muito tempo. Existem lugares no Brasil que a expectativa de vida não chega a essa idade.

Em outras palavras, pessoas podem morrer antes mesmo de conseguir o beneficio da aposentadoria.

esperanca

  Imagem 02: Retirada do site do IBGE, tabela com dados sobre a esperança de vida ao nascer. Clique na imagem para ampliar.

Na região Nordeste, temos alguns estados que possuem a expectativa de vida, para homens, muito próxima da idade mínima para se aposentar.

Fato que pode acabar prejudicando, e muito uma parcela considerável da população brasileira.

  Mas o que fazer então?

A partir de agora, estarei abordando estratégias para montar uma boa previdência! Tudo muito bem fundamentado.

Com planilhas, e cálculos simples, que vão mostrar ao leitor, o poder que o tempo pode exercer sobre o seu dinheiro.

Aliado a um bom rendimento, o fator tempo pode ser ainda mais benéfico! O leitor pode ficar tranquilo que tudo isso será abordado de maneira bem simples, e de fácil entendimento.

Já estava me esquecendo…

Inflação, (IPCA).

Antes de começar a desenvolver as planilhas e explicar as mesmas, preciso iniciar com uma breve fundamentação.

Referente ao dragão da inflação! Isso mesmo caro leitor. Montar um patrimônio robusto é muito importante, mas se ele só remunerar valores similares ao da inflação, você no final, não vai a lugar algum.

A inflação, nada mais é do que os aumentos dos preços. Ou seja, quando você vai ao supermercado, e compra um quilo de peito de frango congelado, e paga por isso R$: 10,00.

Então, daqui duas semanas, você vai novamente para comprar o quilo do frango e dessa vez esta R$: 10,50.

Opa, o preço desse produto inflacionou. Se o valor fosse para baixo, seria uma deflação.

E como se mede a inflação?

Através do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Com o intuito de ser o mais didático possível, vou pegar a definição do índice diretamente do site do IBGE.

(… IPCA abrange as famílias com rendimentos mensais compreendidos entre 1 (um) e 40 (quarenta) salários-mínimos, qualquer que seja a fonte de rendimentos, e residentes nas áreas urbanas das regiões…).

Podemos definir o IPCA como um índice que realiza o calculo dos principais itens que fazem parte do consumo da população que vive com 1 a 40 salários mínimos.

O Banco Central tem como um dos principais objetivos, realizar o controle da inflação. Do final de 2014 até 2015 o BC teve grande atuação no mercado.

Através dos aumentos consecutivos da taxa Selic. Passamos a ter uma taxa de juro de 14,25% ao ano.

Tornando o Brasil, o país com maior taxa de juro real no planeta. Por um lado isso representa grande retrocesso, quando observamos a oferta de credito no mercado nacional, cair.

Mas por outro lado, vimos isso como uma ótima oportunidade de investimentos. Aplicando recursos em produtos que seguem de perto a Selic ou DI.

Enfim, elevar e reduzir a taxa de juro é um dos instrumentos dos quais o Banco Central utiliza para controlar a inflação.

Observando o IPCA, o BC consegue avaliar se existe a necessidade se subir, ou reduzir. Em 2015 tivemos um IPCA de 10,57% ao ano. Taxa mais alta desde 2003.

No momento em que escrevo esse artigo, já estamos em um ciclo de redução da Selic. Uma vez que o IPCA já está com suas expectativas voltadas ao centro da meta, de 4,5% ao ano.

Centro da Meta.

Para realizar o controle da inflação, o Banco Central possui metas para a mesma. O centro da meta é de 4,5% ao ano.

Porem, observando que vários produtos que fazem parte do cálculo do IPCA sobrem influencia do tempo, da natureza, e não do mercado, existe uma banda, de 2% para cima, e para baixo.

Isso significa que existe uma tolerância, para que o IPCA feche em até 6,5% ou 2,5% ao ano. Se mesmo assim, a inflação terminar o ano fora dessa meta, o Banco Central precisa entregar explicações ao poder executivo sobre tal descumprimento.

Influencia do IPCA em nosso planejamento.

Mas como o aumento dos preços pode influenciar em nosso planejamento? Estou mostrando ao leitor como construir uma aposentadoria, que vai fornecer, no futuro, dinheiro suficiente para viver.

Então, é de suma importância, que o leitor tenha conhecimento sobre a inflação. Ainda mais, em nosso país.

Não faz muito tempo, estávamos com um IPCA de 10,57%. Muito acima do teto da meta. Dependendo da estratégia aplicada sobre nossos investimentos.

No final das contas, quando você for se aposentar, é capaz da inflação ter sido maior que o rendimento obtido com as aplicações.

Se isso acontecer, o montante poupado, não vai conseguir sozinho, sustentar o investidor.

Produtos Financeiros.

Antes de começar a mostrar a estratégia em si, precisamos escolher quais serão os produtos financeiros, que serão utilizados para alcançar um bom patrimônio na hora de se aposentar.

Vou destacar dois nesse artigo, uma vez que são os mais fáceis, e os com maior liquidez no mercado.

O CDB, ou Certificado de Deposito Bancário, é um dos investimentos oferecidos por quase todos os bancos.

Ele funciona como um empréstimo, que o cliente faz ao banco. Em troca do dinheiro depositado, o banco remunera o valor por um percentual do DI.

DI significa Deposito Interbancário, essa taxa, serve para calcular o juro cobrado entre os empréstimos dos bancos.

As instituições financeiras também fazem emprestamos entre si. E quando isso acontece elas cobram o DI, uma das outras.

Essa mesma taxa serve para remunerar o CDB do investidor. Os grandes bancos, aqueles que possuem agencia em cada esquina, tem os CDBs com os menores rendimentos do mercado.

Porem, essas instituições possuem mais segurança que os médios e pequenos bancos. Geralmente um CDB de um grande banco paga em torno de 80% do DI.

Ou seja, você não recebera a taxa do DI cheia. Mas sim, uma porcentagem dela.

Bancos de varejo, os grandes, possuem mais uma característica em seus CDBs. Eles são progressivos.

Quando você aplica em um CDB, ele inicia pagando 80% do DI. Porem, se o cliente permanecer, investido, durante, no mínimo dois anos, a remuneração pode chegar aos 95% do DI.

Isso nada mais é do que uma forma de manter o dinheiro do investidor aplicado. Um destelhe importante sobre essa aplicação, é que ela possui liquidez diária. Ou seja, você pode resgatar o dinheiro a qualquer momento.

  • Bancos Médios e Pequenos.

Procurando por um rendimento maior que esses? Talvez o leitor queira abrir uma conta em um banco de médio e pequeno porte.

Hoje, não é mais necessário abrir a conta em um banco assim, para ter acesso aos seus produtos.

Corretoras de valores imobiliários, já possuem dentro de seus sistemas, uma espécie de Shopping Financeiro.

Através dessas plataformas, o cliente pode ter acesso a diversos CDB, de varias instituições.

Atualmente, é relativamente fácil achar CDB com liquidez diária e pagando 100% do DI. Mas por outro lado, investir em tais bancos, pode significar risco.

FGC, ou Fundo Garantidor de Credito, esse fundo tem a função de ajudar bancos que estão enfrentando problemas de liquidez.

Por meio do FGC, as aplicações dos investidores pessoa física estão asseguradas em até o montante de R$: 250.000,00 por CPF e por Instituição.

Segue texto retirado do site do FGC…

Limite de Cobertura Ordinária.

1. O total de créditos de cada pessoa contra a mesma instituição associada, ou contra todas as instituições associadas do mesmo conglomerado financeiro, será garantido até o valor de R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais), limitado ao saldo existente.
2. Para efeito da determinação do valor garantido dos créditos de cada pessoa, devem ser observados os seguintes critérios:
 
a) titular do crédito é aquele em cujo nome o crédito estiver registrado na escrituração da instituição associada ou aquele designado em título por ela emitido ou aceito;
b) devem ser somados os créditos de cada credor identificado pelo respectivo Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) / Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) contra todas as instituições associadas do mesmo conglomerado financeiro;…)

Sendo assim, o investidor precisa ficar atento a não ultrapassar o saldo de R$: 250.000,00 em uma única instituição, ou na soma dos saldos dentro de um conglomerado.

Tente pulverizar os valores, entre outras instituições que fazem parte do FGC, porem não fazem parte do mesmo conglomerado.

  • Tesouro Selic.

Sem duvidas, dos dois produtos financeiros que vou utilizar como exemplo para montar o planejamento de aposentadoria, o Tesouro Selic é o mais recomendável.

Primeiro, porque o rendimento dele está atrelado a Selic. Praticamente 100% da taxa Selic. Ou seja, em valores atuais, estamos falando em algo em torno de 13,75% ao ano.

Vale lembrar que o DI segue de perto a taxa Selic. O DI acaba fornecendo um rendimento pouco menor, mas praticamente o mesmo.

O leitor poderá investir no Tesouro Selic, através do programa do Tesouro Direto. Todas essas minhas indicações de investimentos podem ser acessado por meio da internet.

Para abrir conta em um grande banco, acredito que o melhor canal ainda é ir, até a agência.

Porem, para abrir conta em uma corretora, ou até em um banco médio ou pequeno, o leitor poderá estar fazendo isso, tudo online.

  • Valor mínimo para investimento.

No momento em que escrevo esse artigo, o Tesouro Selic está sendo vendido por algo em torno de R$8.420,41.

Mas não é preciso comprar a letra inteira. O programa do Tesouro Direto já oferece a possibilidade de comprar 1% do título.

Então, com R$84,20, o investidor já poderia estar investindo no Tesouro Selic. E a garantia de tal aplicação?

  • Garantia?

O Tesouro Nacional faz a garantia dos papeis do Tesouro Direto. Em outras palavras, faltando dinheiro, o Tesouro fabrica mais.

Não seria essa a maneira que o Tesouro iria solucionar o problema. Mas o que quero dizer aqui, é que dificilmente o Brasil vai dar o calote nos credores internos.

Ainda mais, se tratando do Tesouro Direto. A parcela da divida total brasileira que corresponde pelo programa de investimentos, é muito pequena.

Segue trecho retirado do blog Seu Dinheiro do jornal Estadão de São Paulo…

(… Por outro lado, o Tesouro Direto tem o estoque de R$ 26,8 bilhões, portanto, menos de 1% da DPF. Somente pela observação desses números é possível admitir que o maior volume de dívida está em reais e, em particular, que o volume de recursos tomados pelo governo por meio do Tesouro Direto não é um problema. Quem já viveu os tempos do Collor não pode deixar de ficar com receio de que os nossos governantes são capazes. Mas hoje a situação é diferente. A Emenda Constitucional 32/2001 proíbe a edição de qualquer medida provisória “que vise a detenção ou sequestro de bens, de poupança ou outro qualquer ativo financeiro”. Esta medida nos dá segurança jurídica de que um novo calote não deverá ocorrer…)

Analisando os dois ativos, acredito que os ambos podem render e preservar o dinheiro dos investidores com certa qualidade.

Qualidade suficiente para ajudar na caminhada a aposentadoria, e a independência financeira.

18 -60.

tabela1

  A primeira estratégia que vou abordar é a mais “tranquila”. Digo isso porque vou utilizar dados que expressam uma realidade plausível para alcançar a aposentadoria.

A simulação será feita, com base em uma pessoa de 18 anos, iniciando o plano de aposentadoria, visando alcançar o mesmo aos 60 anos.

O valor final, que vamos querer alcançar aqui, é simbólico, o de um milhão de reais. Acredito que tendo esse valor aos, 60 anos, podemos contar com uma aposentadoria interessante.

Lembrando que não estou querendo vender sonhos extremamente difíceis. Outra coisa, importante destacar, é que isso se trata de uma simulação, ou seja, não temos como prever se tudo isso, vai se concretizar no futuro.

O rendimento que vou aplicar nessa simulação será liquido de Imposto de renda (15%), ou seja, já estipulando que possa haver resgates no meio do planejamento.

Já foi dito anteriormente que a taxa Selic está em 13,75% ao ano. Nessa simulação estarei presumindo uma taxa Selic de 10% ao ano.

Estou reduzindo o rendimento, uma vez que existe uma grande expectativa que a taxa básica de juro caia.

Sem esquecer que o planejamento é para 42 anos. Muitas coisas podem acontecer. Segue tabela com a primeira simulação.

  • Dados da primeira simulação.
  • 42 anos de duração.
  • Rendimento mensal de 0,70% (liquido de IR)
  • Aporte mensal nos primeiros 5 anos de R$: 100,00 ao mês.
  • Aporte mensal do sexto ano até o décimo de R$: 200,00 ao mês.
  • Aporte mensal do décimo primeiro ano até o décimo quinto de R$: 300,00 ao mês.
  • Aporte mensal do décimo sexto ano por diante de R$: 350,00 ao mês.

Parece fácil alcançar o primeiro milhão não é? Não, na realidade, o primeiro milhão, é mais uma propaganda, ou um simples objetivo.

Ter o primeiro milhão em 42 anos, pode não significar muitas cosa, acredite.

Segue tabela com a evolução do salário mínimo, acrescido de 4,5% referente à inflação (lembrando que 4,5% é o centro da meta).

18601

  Analisando os resultados auferidos em cada ano, com a correção da inflação, podemos notar que o salário mínimo, em 42 anos poderia facilmente chegar a valor superior de R$: 5.000,00.

Algo que hoje seria irreal. Imagina ganhar um salário mínimo de R$: 5.749,88? Porem , quando o plano real nasceu, em 1994, o valor do mínimo era de R$: 70,00!

Olhando assim, não parece ser tão absurdo? Mas, sabemos muito bem, que viver hoje, com um salário mínimo, é muito difícil.

Existem pessoas que até conseguem. Mas viver com conforto, ter dinheiro para investir em lazer, e coisas supérfluas, é uma coisa bem mais difícil.

O Dieese faz mensalmente uma simulação de qual seria o salário mínimo necessário para viver com certo conforto no Brasil.

De acordo com a instituição, o valor é próximo dos R$: 4.000,00. Então vamos fazer o mesmo que fizemos com o salário mínimo.

dieese

Imagem 03; Tabela retirada diretamente do site do Dieese, com os valores dos salários.

Segue a tabela com o valor do Dieese, acrescido de correções pela inflação, também em 4,5% ao ano.

18602

O correto seria almejar, conseguir um valor superior a esse que estamos vendo. Ter uma aposentadoria que pague, mas do que R$: 24.312,40 seria o objetivo, que poderia assegurar, ao menos, uma vida tranquila.

Comparando as três tabelas, vamos apurar os resultados referentes aos rendimentos mensais…

  • Planejamento, rendimento mensal de R$ 7.213,37.
  • Salário Mínimo mais Inflação, rendimento mensal de R$ 5.749,88.
  • Salário Necessário mais inflação, rendimento mensal de R$ 24.312,40.
  • Conclusão.

A nossa primeira simulação conseguiu, ao menos, garantir ao investidor uma renda, um pouco maior que o salário mínimo acrescido da inflação.

Mas falta muito para chegar ao valor que seria o suficiente para levar uma vida mais tranquila.

A próxima simulação, colocaremos valores, que farão o investidor alcançar tal renda, que trará mais comodidade.

18 – 60 (Renda Necessária)

18603

Ao invés de um milhão de reais, o bom mesmo, seria ter, no mínimo, três milhões e meio.

Alcançando o valor de R$ 3.646.825,49 no final do 42º ano, o investidor estaria assegurando uma renda de R$ 25.527,78.

  • Dados da segunda simulação.
  • 42 anos de duração.
  • Rendimento mensal de 0,70% (liquido de IR)
  • Aporte mensal no primeiro ano de R$: 100,00 ao mês.
  • Aporte mensal do segundo ano de R$: 200,00 ao mês.
  • Aporte mensal do terceiro ano de R$: 300,00 ao mês.
  • Aporte mensal do quarto ano de R$: 400,00 ao mês.
  • Aporte mensal do quinto ano de R$: 500,00 ao mês.
  • Aporte mensal do sexto ano de R$: 600,00 ao mês.
  • Aporte mensal do sétimo ano de R$: 700,00 ao mês.
  • Aporte mensal do oitavo ano de R$: 800,00 ao mês.
  • Aporte mensal do nono ano de R$: 900,00 ao mês.
  • Aporte mensal do décimo ano de R$: 1.000,00 ao mês.
  • Aporte mensal do décimo primeiro ano de R$: 1.100,00 ao mês.
  • Aporte mensal do décimo segundo ano em diante de R$: 1.200,00 ao mês.

Ficou bem mais puxado esse planejamento? Infelizmente sim. Acabei fazendo dessa forma, uma vez que acredito que assim, a estratégia acaba ficando mais leve.

Começar com R$: 100,00 é bem melhor do que já iniciar com R$: 200,00, ou outro valor qualquer.

Então, fazendo dessa maneira progressiva, mais pessoas conseguiriam dar continuidade a estratégia.

A próxima simulação será feita, porem com um rendimento maior. Imagina se você, caro leitor, conseguir um rendimento de 1% ao mês, liquido de IR, e mantendo a mesma estratégia da segunda simulação…

18 – 60 (1% ao mês)

00001

Não resta duvidas. Conseguindo um retorno de 1% ao mês, liquido de Imposto de Renda, você conseguira uma aposentadoria, muito boa.

Com o saldo no 42º ano, o investidor teria um rendimento de R$ 101.717,99 (levando em consideração um rendimento de 1% ao mês liquido de IR). Muito acima do valor do salário necessário acrescido da inflação.

Mas existe outro detalhe, mais interessante. O valor total da segunda simulação seria alcançado por essa, no 34º ano.

Ou seja, o investidor já teria plenas condições de se aposentar bem antes do tempo. Leitor, você se recorda do inicio do artigo?

Que existem dois fatores muito importantes para o nosso planejamento?  O tempo, e o rendimento.

Nessa ultima simulação, vimos que aumentando o rendimento, conseguimos potencializar ainda mais os ganhos.

A ponto de encurtar a estratégia, em quase 10 anos. O próximo exemplo estará mostrando o fator tempo.

Muitas pessoas recebem heranças. Vamos supor que o investidor dessa simulação, recebeu, hoje, R$: 150.000,00 e resolveu deixar esse valor aplicado.

18 – 60 (R$: 150.000,00)

00002

  • Dados da quarta simulação.
  • 42 anos de duração.
  • Rendimento mensal de 0,70% (liquido de IR)
  • Aporte único, no inicio do primeiro mês do primeiro ano de R$: 150.000,00.

O rendimento mensal, proporcionado pelo saldo final, é de R$ 35.321,77. Ótimo valor, e bela quantia para ter na conta.

Fica claro nessa simulação, que os aportes mensais acabam não sendo tão importantes, quando o investidor tem a possibilidade de começar a investir com uma grande quantia.

A quinta simulação, será feita com um tempo menor. Vamos simular uma pessoa de 40 anos, querendo se aposentar com 60 anos.

40 – 60.

00003

  • Dados da quinta simulação.
  • 20 anos de duração.
  • Rendimento mensal de 0,70% (liquido de IR)
  • Aporte mensal no primeiro ano de R$: 500,00 ao mês.
  • Aporte mensal do segundo ano de R$: 1.000,00 ao mês.
  • Aporte mensal do terceiro ano de R$: 1.500,00 ao mês.
  • Aporte mensal do quarto ano em diante de R$: 2.000,00 ao mês.

Reduzindo o tempo para se aposentar, ou alcançar a independência financeira, precisamos reduzir a projeção do aumento do mínimo, e do salário necessário. Segue as novas projeções…

00004

As projeções do salário mínimo ficaram bem menor comparado às mesmas, de 42 anos. Mantendo a disciplina de conseguir alcançar o primeiro milhão, com 20 anos de investimento.

A renda obtida, com o saldo final, será maior que as projeções do mínimo. Aplicando rendimento de 0,70% ao mês, em cima dos R$ 1.071.863,07, teremos R$ 7.503,04.

Segue tabela com as projeções do salário necessário…

000005

Mesmo reduzindo 22 anos no planejamento. O saldo de um milhão de reais não é o suficiente para gerar uma renda equivalente ao salário necessário para levar uma vida tranquila.

Vamos continuar a simulação. A próxima contara com um valor suficiente para gerar uma boa renda.

40 – 60 (Renda Necessária)

00006

  • Dados da sexta simulação.
  • 20 anos de duração.
  • Rendimento mensal de 0,70% (liquido de IR)
  • Aporte mensal no primeiro ano de R$: 500,00 ao mês.
  • Aporte mensal do segundo ano de R$: 1.000,00 ao mês.
  • Aporte mensal do terceiro ano de R$: 1.500,00 ao mês.
  • Aporte mensal do quarto ano de R$: 2.000,00 ao mês.
  • Aporte mensal do quinto ano de R$: 2.500,00 ao mês.
  • Aporte mensal do sexto ano em diante de R$: 3.000,00 ao mês.

O saldo final desse planejamento resultou no valor de R$ 1.454.984,82. Esse valor acaba gerando uma renda mensal de R$ 10.184,89. Quantia superior ao salário necessário.

Por outro lado, se a estratégia se mostrava mais puxada, só por reduzir 22 anos. Agora então está bem mais complicada.

Acredito que para muitas pessoas, já é bem difícil guardar R$: 100,00 ao mês imagina R$: 500,00, ou até R$: 3.000,00.

Salientando que toda essa estratégia esta sendo desenvolvida em cima de um rendimento de 0,70% mensal, liquido de IR.

Existem varias outras possibilidades de investimentos. E com certeza, alguns que podem gerar ganhos maiores, ou até, ativos aliados a estratégias paralelas, que podem no final, gerar um ótimo fluxo de recursos.

Mas nesse artigo vamos abordar ativos, e estratégias mais simples, porem que podem entregar a sonhada independência financeira, e a aposentadoria.

A próxima e ultima simulação, será desenvolvida com o rendimento de 1% ao mês, liquido de IR, em 20 anos, com os mesmos aportes da quinta simulação.

40 – 60 (1% ao mês)

 0007

Mantendo a estratégia da quinta simulação, somente alterando o rendimento de 0,70% ao mês, por 1% ao mês. Já teríamos um resultado bem melhor.

O saldo final estaria gerando uma renda mensal de R$ 11.577,42. Nada mal, não é?

Conclusão

O tempo e o rendimento. Dois fatores que podem influenciar muito no desempenho de qualquer estratégia.

Espero que tenha ficado evidente ao leitor, nesse artigo. Hoje, alcançar o primeiro milhão de reais, ainda é algo muito relevante.

Uma vez que o montante consegue gerar uma renda muito boa. Bem acima do mínimo, e do salário que seria necessário para levar uma boa vida.

Mas em 10 anos? 20? 30? 42 anos? Não vai ser a mesma coisa. Também não será necessário virar bilionário. Mas, tenho certeza que só com um milhão, não será o suficiente.

Gostaria de lembrar, que toda a introdução foi baseada em minha interpretação sobre os dados coletados em varias mídias jornalísticas, e afins.

Os dois produtos de renda fixa que foram abordados no artigo são de simples acesso, e com excelente liquidez.

O rendimento dos mesmos pode não ser o melhor, mas, com certeza, não são os mais difíceis para investir.

Ao invés de mostrar caminhos pela renda variável, coisa que demanda muito mais do que 20 paginas, escolhi fazer algo que poderia atender a grande maioria da população.

Até mesmo, porque dentro da minha interpretação, acredito que a grande maioria, será prejudicada pelas possíveis mudanças na previdência social e seus benefícios.

Falando um pouco das simulações. As mesas foram baseadas sobre rentabilidades que já existiram no Brasil.

Fiz isso, para não iludir o leitor. Não quero que você ache que colocando tantos reais em um CDB, ou Tesouro Selic em 10 ou 15 anos, estará pronto para largar tudo e viver de renda.

Muito pelo contrario. O caminho colocado aqui necessita de alguns sacrifícios, mas de longe não é impossível.

O que você precisa fazer, e traçar os seus objetivos, almejar um saldo final, e ter bastante paciência, dedicação e disciplina.

Se você gostou da página, faça uma doação! Isso vai ajudar bastante o blog! Muito obrigado! =)

 

Anúncios

4 thoughts on “Criando sua Aposentadoria

  1. Olá Oliver, primeiramente gostaria de parabenizar pelo artigo, muito completo e muito esclarecedor.

    Como você disse, não que seja tão difícil acumular o tão sonhado 1 milhão na aposentadoria, o problema é saber se ele será suficiente para gerar uma boa renda mensal. E o que vimos com suas simulações, é que isso pode não ser verdade.

    O mínimo para ter uma boa renda é acima de 2 milhões na aposentadoria. Boas dicas, abraços!

    Jessica

    Liked by 1 person

    • Ola! Sim, infelizmente o nosso 1 milhão não é o mesmo que 1 milhão de dólares, e muito euros do que Euros. Mas mesmo assim, até para os atuas parâmetros e condições, da economia (com um juro menor e menos inflação) o nosso 1 milão ainda é uma boa. Para o futuro, realmente, terá que ser ajustado para acomodar os aumentos nos preços (inflação).

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s