Podcast Oliver Investimentos, EP; 12 e 13.

Olá! Tudo bem?

Segue os meus dois últimos episódios do meu Podcast sobre investimentos;

O episódio 12 se refere ao Tesouro IPCA e suas características. Já o episódio 13 tem o foco no CDB e nas possibilidades que existem além da Selic em 2% ao ano.

Podcast Oliver Investimentos, EP; 10 e 11

Olá! Tudo bem?

Segue os meus dois últimos episódios do meu Podcast sobre investimentos;

Como dá para ver pelos títulos, o episodio 10 é sobre o ETF IVVB11 e o episodio 11 é sobre Dólar.

Ambos os investimentos hoje vem acumulando rentabilidades interessantes em 2020. Ambos vem conseguindo gerar performances acima dos 30% (até o presente momento). Observando isso, eu resolvi falar um pouco sobre cada um deles.

Aqueles que tem interesse em ouvir os outros episódios, vou deixar o link com a página onde os demais episódios estão, segue;

https://oliverinvestimentos.wordpress.com/podcast/

Como funciona o fundo de cotas?

Ao investir em um fundo de investimentos que possuem tal divisão, constituída em cotas, o investidor não compra uma participação no fundo, mas sim suas cotas.

Vamos supor que o investidor está interessado em um fundo que possui valor mínimo para entrar de R$ 1.000,00.

Esses R$ 1.000,00 aplicados não serão mais R$ 1.000,00 dentro do fundo, mas sim uma quantidade de cotas.

Na hora do investimento, vamos supor que cada cota do fundo vale R$ 1,00. Então, ao comprar R$ 1.000,00 em cotas, o investidor está comprando 1.000 cotas do fundo.

Se no dia seguinte os ativos que fazem parte da carteira do fundo se valorizarem, então é provável que o valor da cota não estará mais em R$ 1,00.

Na verdade, agora o valor pode estar em R$ 1,20 por cota, por exemplo.

Desse modo, o investidor que tinha uma posição de R$ 1.000,00 totalizando 1.000 cotas, agora terá R$ 1.200,00 totalizando as mesmas 1.000 cotas, compreendeu?

Dentro dos fundos com cotas, os investidores devem ficar atentos ao valor da cota. Por lá, será possível determinar qual é o saldo que o investidor possui no fundo.

Com o número de cotas, e sabendo o valor de cada uma, ao multiplicar os valores, será possível identificar o saldo correto.

Diferenças entre os fundos de cotas e outros

Basicamente existem dois tipos de fundos de investimentos, são eles os seguintes;

  • FICFI – Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento
  • FI – Fundo de Investimento

Os FICFI são representados por grande parte dos fundos existentes no mercado. Esse tipo de fundo é conhecido por ser aquele que investe em cotas de outros fundos.

Já os FI, investem diretamente em ativos, como títulos públicos, papéis de renda fixa, ou de renda variável (vai depender do tipo de fundo).

Então, quando um investidor resolve vender sua participação no fundo, o fundo precisa vender parte dos seus ativos, para conseguir devolver o capital ao investidor.

Essa movimentação pode levar tempo, sendo assim, não estamos falando de um fundo “rápido”.

Gostou do artigo? Segue alguns projetos que podem lhe interessar;

Bitcoin se valorizando!

Em 2019 o Bitcoin vem se valorizando bastante, no Brasil, e no mundo. Essa valorização começou a despertar o interesse de alguns investidores, e por isso, vamos comentar alguns dados sobre a famosa criptomoeda.

Alguns dados sobre o Bitcoin

Para conseguir novos Bitcoins, atualmente, o usuário deve realizar a tarefa de minerar a criptomoeda (ou comprar a mesma de alguém).

Sendo que tal tarefa exige um computador específico e destinado exclusivamente para decifrar as equações e alimentar os Blockchains.

Ao conseguir resolver a equação antes do que outros usuários, você receberá como prêmio uma determinada quantidade de Bitcoins.

Lembrando que com o passar dos anos e o aumento das negociações, essas equações se tornaram mais complexas, exigindo computadores mais potentes.

Sem falar nos custos relacionados à manutenção das máquinas e da própria energia elétrica que é exigida para manter tais equipamentos minerando pode aumentar, uma vez que mais tempo será exigido.

Sabendo como os Bitcoins são “criados” o leitor já pode identificar que a criptomoeda, possui um limite.

Ou seja, haverá um dia em que o Bitcoin não poderá ser mais minerado, ou melhor, a mineração não vai mais “premiar” os usuários com novos Bitcoins.

Quando encerrado esse estagio de criação de novos Bitcoin, a mineração vai continuar, porém, os usuários que estarão realizando as transferências, e portanto, precisam dos Blockchains, terão que ceder uma fração dos Bitcoins a título de remuneração para que o cálculo seja resolvido.

Praticamente, todas as outras criptomoedas possuem alguma espécie de limitador, no caso do Bitcoin, a quantidade limite da criptomoeda é de aproximadamente 21 milhões.

Portanto, uma inflação, de criptomoedas é bem difícil de ocorrer. Vamos pegar como exemplo os países;

Descentralizado

Todo país possui um Banco Central e um Tesouro. Essas instituições têm por objetivo resguardar a moeda do país.

Vamos supor que tal país está registrando déficit atrás de déficit, ou seja, a dívida pública vem subindo e isso exige que o país emita mais dinheiro aumentando a dívida.

Com as criptomoedas isso não pode ocorrer, uma vez que a sua criação é descentralizada além de limitada por uma determinada quantidade!

No final das contas, as criptomoedas, como o Bitcoin,  tem a tendência de se valorizarem, uma vez que as mesmas são limitadas (quase como se fosse o ouro, ou qualquer outro ativo que possa ser finito)!

Por isso, fique de olho nas criptomoedas! Oportunidades podem aparecer! Por serem ativos altamente voláteis, o interessante é manter uma posição bem pequena, uma vez que o risco é extremamente alto.

Gostou do artigo? Segue alguns projetos que podem lhe interessar;

O que é Balança de transações correntes?

A balança de transações correntes possui em sua composição outras três balanças, que são as seguintes;

  • Balança Comercial
  • Balança de Serviços
  • Rendimentos de investimentos e as transferências unilaterais

Em outras palavras, a balança de transações correntes é os rendimentos líquidos de um determinado país.

Caso essa balança esteja positiva, podemos considerar que o país em questão possui um rendimento positivo contra o exterior, ou seja, crédito.

Em caso de uma balança deficitária, então o país conta com uma dívida no exterior. Uma dependência maior.

Como funciona a balança de transações correntes?

As balanças de transações correntes são compostas por três balanças distintas. Sendo assim, é necessário avaliar os números das três balanças para conseguir chegar a um determinado número.

Na balança comercial, nós podemos encontrar o resultado entre as transações do país com o exterior.

Esse resultado é composto pelas vendas e compras que o país faz, ou seja, o resultado das importações menos exportações.

Na balança de serviços podemos encontrar números referentes aos serviços prestados no país, ou no exterior.

Dentro desses números existem alguns setores que se destacam, como o turismo, transporte, royalties e seguros.

Sendo assim, podemos encontrar certas peculiaridades entre as balanças até aqui mencionadas.

Por exemplo, a balança comercial de um país pode ser deficitária, porém, ao analisar a balança de serviços, podemos encontrar alguns valores interessantes.

Isso pode acontecer devido aos investimentos realizados em um país, visando à construção do seu parque industrial no exterior, mas depois, com o desenvolvimento de seus negócios no exterior, esse mesmo país pode acabar recebendo parte dos lucros, por meio dos royalties.

Um exemplo disso são as empresas que trabalham com o negócio de franchising. Por mais que exista certo investimento, ao menos para abrir o negócio, o fluxo de capital, posterior, vai voltar para o país de origem, através dos royalties.

Os Estados Unidos, por exemplo, possui em certos períodos um fluxo de capital positivo, demonstrando que entra mais dinheiro no país do que saí.

Porém, em momentos onde a economia está mais forte, consequentemente, existe uma expansão para o exterior, levando parte desse fluxo de capital. Em outras palavras, ocorre um investimento maior  no exterior.

Por último temos a balança de rendimentos e transferência unilaterais. Aqui ficam caracterizadas as transferências entre imigrantes.

Então dentro dessa balança temos os valores oriundos daqueles que vão fazer turismo em outros países,  levando dinheiro e consumindo serviços e produtos de fora.

Nessa balança, podemos identificar se o país é um destino turístico mais visado, ou se de repente é um país que possui mais pessoas saindo, indo viajar ao exterior.

Vale destacar que nessa última balança ainda temos os rendimentos provenientes de investimento.  Portanto, aqui teremos uma imagem referente à atratividade do país.

Geralmente, países que possuem taxas de juros mais atraentes, e certa segurança, contam com investimentos maiores vindo do exterior.

O Brasil, por exemplo, é um país que depende bastante do dinheiro vindo do exterior. A nossa bolsa de valores possui uma participação expressiva do capital estrangeiro.

Influência da Balança de transações correntes.

Várias coisas podem influenciar os resultados da balança de transações correntes. Entre alguns números que podem influenciar tal balança temos  as cotações da moeda e a taxa de juro dos países.

Países que contam com uma moeda mais “barata” geralmente contam com serviços e produtos mais em conta, além de favorecer a entrada de capital vinda do exterior.

Quando o assunto é juros, o mesmo pode ser preponderante para a decisão de investimentos nos países, uma vez que a rentabilidade prospectada pode ser maior em comparação a outras regiões do globo.

Gostou do artigo? Segue alguns projetos que podem lhe interessar;

 

O que é Dealer?

O Dealer é a pessoa que vende os ativos por conta própria, sem haver intermediação. Ou seja, no mercado financeiro, podemos dizer que grandes instituições financeiras, acabam funcionando como Dealers.

Elas entram no mercado, munidas de grande volume de recursos. A movimentação dos Dealres, devido ao volume de recursos, pode ser extremamente alta, sendo que esses “players” podem influenciar bastante no preço de um ativo durante um pregão, por exemplo.

É possível afirmar que os Dealers, por terem grande capacidade de influenciar os mercados, são peças importantes para o funcionamento do mercado. Querendo ou não, os Dealers são aqueles que dão liquidez ao mercado.

Fora do escopo o mercado, podemos dizer que o Dealer é aquele que compra mercadorias para revender aos consumidores.

O Dealer é uma figura, que nesses casos, distingue um distribuidor de um agente ou representante.  O estoque é o seu risco.

Funcionamento do Dealer

Diferente do que ocorre com  as corretoras, ou agentes que fazem a intermediação de ativos na bola, os Dealesr investem por sua conta em risco, sendo motivados a realizar operações visando o lucro com as diferenças entre os valores de compra e venda.

Ou seja, o Dealer não deixa de ser um investidor também. O Dealer procura o lucro em suas operações.

O que acontece é que o volume de recursos é alto, e assim, o Dealer também executa uma função importante no mercado, gerar liquidez para determinados ativos.

Gostou do artigo? Segue alguns projetos que podem lhe interessar;